Arquivo de fevereiro, 2010

Ele foi trespassado por nossas transgressões

Ele foi esmagado por nossos pecados

O castigo que nos traz a paz estava sobre ele

E pelas suas feridas

Por Suas chagas fomos curados

(mais…)

Anúncios

Hoje peço vênia a vossas excelências. Via de regra eu sou até bem contido quando o assunto são minhas opiniões, mas esse assunto em questão é algo que realmente me incomoda. Então vou tratar dele em velocidade 5 mesmo.
Sai ano e entra ano e toda época de política é a mesma coisas. Irmão não sei o que, Pastor não sei das quantas, Bispo nunca vi mais gordo, todos usando de seu cargo e de sua influencia religiosa para galgar cargos políticos.
Inúmeras vezes eu questionei meus líderes quanto a isso e a maioria acha superimportante termos representatividade no poder, afim de evitarmos problemas com leis que cerceiem nossos direitos e para conseguirmos mais espaço. Bom vamos tratar de duas coisas aqui, primeiro de pessoas assim se candidatarem e depois de usarem seus títulos como nomes de campanha.
Em primeiro lugar eu não acho necessidade nenhuma de ter religiosos em meio a meus representantes, primeiro porque se a história nos mostra uma coisa é que misturar política com o sagrada é uma fria sem tamanho, a Igreja católica teve problemas por séculos até interpor uma separação conveniente. Segundo nós sabemos muito bem como as coisas funcionam e quem freqüenta as casas do poder, não é nem me dizes com quem tu andas e ti direi quem és, nem o não sentes na mesa do escarnecedores, é que sabemos muito bem o que é necessário para se ter maioria em qualquer projeto neste país,  ademais os inúmeros escândalos já provaram que os membros do clérigo não são menos corruptíveis do que quaisquer outros seres humanos. Por fim eu particularmente coloco minha confiança em Deus e sei que através da oração ele sempre vai dar o melhor para o seu povo, até porque todo líder é constituído por Deus, eu humilde que sou tenho fé plena de que a igreja sendo apenas igreja ainda tem mais poder do que qualquer outra instituição terrena para fazer o que quer que seja, não com influencias, mas com joelhos dobrados e muita oração.
Com relação aos títulos usados em campanha é que minha indignação atinge níveis supremos. Basta lembrarmos o caso do “bispo” Rodrigues que entre muitas acusações admitiu que recebeu R$ 150.000.00 para pagar “dívidas de campanha”, no Tocantins tivemos o caso do “Pastor” Amarildo envolto em um mar de lama e tantos outros que tem pipocado mídia a fora envergonhando o povo de Deus. Eu perdi as contas de quantas vezes ao chamar alguém para a igreja ser confrontado com esses escândalos e tantos outros. Eu não deixo que isso afete o evangelismo porque a igreja é de Deus mas feita por homens e homens são falhos, mas seria mentira dizer que não em envergonho das atitudes destas pessoas que querendo eu ou não levam o nome da fé.
Para mim é tudo muito simples, o cara quer se candidatar? Afaste-se das suas atividades, e candidate-se com seu nome, sem cargos. Candidato José da Silva e não Pastor José da Silva.  Os seus princípios não vão mudar só porque você não usou seu posto para se eleger, você pode continuar lutando pelo que você acredita e eu espero que não seja só pela igreja, porque você é eleito para cuidar de povo de forma geral e não de uma parcela específica.
Essa falta de ética não se restringe de forma nenhuma só a igreja evangélica e católica, eu já vi gente de tudo quanto é religião usando sua influencia religosa para galgar carreiras políticas pelo mundo afora. Mas enquanto eu estiver por aqui vou protestar veementemente contra este tipo de coisa.
E você o que pensa a respeito? Deixe sua opinião nos comentários.
Um abraço do amigo,
Rodrigo Melo

Esfriamento, uma nova caminhada # 2

Publicado: 02/10/2010 por Rodrigo Melo em Reflexão

Clique aqui para ler a parte # 1

Como eu tinha comentado ontem com vocês, uma das medidas que eu tomaria para me animar e a de comprar uma bíblia. Pois bem, pesquisei bastante e achei um site um tal de Mylifeshop que estava com uma oferta bacana, que incluía uma bíblia Dake, mais um livro e uma colônia, tudo pelo mesmo preço da bíblia em outros lugares. Me animei e fui comprar, preechi todos os dados por aqueles passos que sempre tem em todos os sites. Como não conhecia o site optei por pagar com boleto bancário, porém toda vez que eu clicava pra pagar o site transferia para outro site onde supostamente eu deveria fazer o pagamento. Supostamente porque ele sempre ia para uma página vazia.
Como eu estava motivado resolvi fazer algo que não é do meu fetio, dar uma segunda chance para este tipo de serviço. Entrei na parte de “fale conosco”e fiz um interubano pra São Paulo, onde expliquei o problema no site, a atendente me informou que eu poderia fazer a compra com ela.
Como o SAC pareceu até organizadinho eu resolvi pagar com cartão de crédito para agilizar. Ledo engano.
A moça me perguntou todos os dados que o site pediu, mesmo eu tendo feito cadastro lá, até aí tudo bem se não fosse o fato de ela perguntar cada dado 5 ou 6 vezes, mas paciência. Depois de aparentemente ter feito meu cadastro ela pediu as informações de pagamento. Pediu os 6 primeiros dígitos do cartão, validade e código de segurança e depois pediu para esperar, cinco minutos depois pediu que eu confirmasse todos os dados novamente e pediu pra esperar, depois de fazer isso 5 vezes ela disse que o sistema não estava aceitando meu cartão. Nessa hora eu respirei fundo e contei até 10.
Muito calmamente eu expliquei que se ela não pegasse o restante dos números do meu cartão com toda certeza ele não seria aceito, isto feito, a moça pegou o resto do meu cartão e por mais 6 ou 7 vezes (sempre com intervalos de 5 a 10 minutos) confirmou meus dados novamente, depois inventou que tinha que passar para o setor de qualidade.
Nisso eu falei pra ela várias vezes que eu estava fazendo um interurbano e que desta maneira a ligação ia custar mais do que o produto, mesmo assim não adiantou nada.
Depois de uns 50 minutos eu me cansei de fingir que ela sabia o que estava fazendo e mandei cancelar, porque além da ligação eu tinha mais o que fazer, a moça ficou toda invocada e ficou repetindo que aquilo era por questão de segurança. Agora vê se eu posso com uma coisa dessa? Eu compro na internet desde 2001 e a mocinha que quer vender passando apenas 6 número de cartão de crédito queria que eu acreditasse que meus dados precisavam ser conferidos 7 vezes.
Para piorar o que já era ruim eu peguei o e-mail da empresa no mesmo local do “fale conosco”e escrevi um breve relato do ocorrido, afinal uma loja de material evangelístico  merece um toque do tamanho da burrada que eles estão fazendo com seus clientes. Não foi grande minha surpresa quando o e-mail voltou, copiei o endereço novamente e mandei de novo, e de novo ele voltou.
Infelizmente eu queria muito o produto, tanto a bíblia quanto o livro “O vício de agradar a todos”que eu não li mas vem como uma luva a esse vício que eu sempre soube que tinha, mas nunca consegui vencer completamente.

É desnecessário dizer que a loja foi uma completa decepção e que não recomendo para ninguém. É como eu sempre digo, quem for fazer algo que leve por detrás um nome, uma fé ou um conceito tem que fazer sempre com excelência, para não denegrir junto o nome, a fé ou o conceito.
Vou procurar aqui na cidade, mas como não tem muitas lojas aqui não se se vou achar e nem a que preço, mas espero que sim, caso não encontre vou postar novamente a experiência em outro lugar e o que eu achei da bíblia e do livro.
Aliás o livro se for bom mesmo vai render um post aqui.
Um grande abraço e continuem comigo nessa nova caminhada.
Rodrigo Melo

Olá amigos, o ano já está quase no meio e finalmente eu resolvi calçar as botas e começar a trabalhar. Hoje eu começo a falar de um tema dos mais espinhosos, até porque, sendo isto um blog eu creio que seja obrigação falar na primeira pessoa.
Hoje vamos falar de esfriamento espiritual, um dos fenômenos mais teminos, e infelizmente um dos mais comuns em cristãos com algum tempo de caminhada, e que eu mais uma vez enfrento.
As vezes pode parecer estranho a quem não acompanha o blog eu vir falar que eu estou enfrentando uma temporada assim, mas quem já me conhece a mais tempo sabe que eu nunca tentei dar uma de “papa”e ser um santo de fé inabalável e vida perfeita. Até porque estudando a bíblia você verá que todos os heróis da fé são pessoas normais e cheias de defeitos, mas que mesmo assim lograram grandes coisas em suas vidas, porque o seu objetivo era agradar a Deus.
Antes de entrar no tópico em si eu quero deixar claro que não estou chateado com Deus ou questionando meus princípios de fé ou passando uma grande dificuldade. Aliás é justamente o oposto, eu estou num bom momento na carreira, tudo em paz na minha casa e na família.
E infelizmente este é justamente o problema! Quando os problemas me afligem eu dobro os joelhos no chão e clamo pelo Deus que me socorre, faço campanhas e mais campanhas, oro incessantemente, minha fé arde. Porém é só a calmaria chegar e o coração ficar tranqüilo que eu vou relaxando, diminuindo as campanhas, lendo menos a bíblia e “descançando” de forma geral. Viro domingueiro na igreja e pronto. Pregar então nem pensar, morro de preguiça só de pensar. Até escrever aqui parece difícil nestes momentos.
Porém no último culto eu ouvi dois versículos que me fizeram refletir neste sentido. O primeiro fala de Paulo, o apóstolo dos gentios, um cara fora de série porque passou de matador e perseguidor de cristãos para ser conhecido como o perpetrador da palavra. Neste versículo Paulo pede a Deus que lhe retire o espinho da carne que lhe afligia, muitas são as teorias quanto ao que de fato era este “espinho na carne”, mas para não fugirmos do tema entenda como uma enfermidade que realmente afligia muito a Paulo. O versículo esta em 2 Coríntios de 7 a 9.
“7    E, para que não me exaltasse pela excelência das revelações, foi-me dado um espinho na carne, a saber, um mensageiro de Satanás para me esbofetear, a fim de não me exaltar.
8    Acerca do qual três vezes orei ao Senhor para que se desviasse de mim.
9    E disse-me: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo.  “

Eu me lembro de quando li estes versos a primeira vez, muitos anos atrás, e pensei comigo mesmo. Esta é sem dúvida uma das cosias mais medonhas e estúpidas que eu já li em toda a minha vida. Como algo pode se aperfeiçoar na fraqueza? E como Deus deixa um dos seus mensageiros sofrer igual a um condenado?
Os anos se passaram e eis que vem a experiência e o Espírito Santo para me mostrar o quanto eu sou ignorante. Ao longo da minha vida cristã eu fui identificando um padrão de onda, que se mostrava sempre inversamente proporcional. Quanto mais dificuldades eu estivesse vivendo mais eu me aproximava de Deus, na medida em que o oposto também é válido. Quanto mais tranqüilo maior a minha preguiça em buscá-lo.
Outra coisa que me chamou atenção neste meio tempo também foram as atitudes de meu irmão, que também escreve aqui. Eu sempre fiquei meio “abobado”de ver que não importa o tempo ou a circunstância, sua dedicação é sempre a mesma, seja em ajudar a igreja ou buscar a Deus, em alguns momentos eu achei esse “ajudar a igreja”até bem exagerado, porque ele deixava de fazer coisas importantes em sua vida pessoal para cuidar dos assuntos da igreja, mas Deus me revelou o quanto estes sacrifícios geram frutos e o quanto isso agrada a Deus (melhor obedecer do que sacrificar, não é mesmo?).
Tudo isso me gerou um sentimento de incomodo, anos antes teria sido um sentimento de culpa, mas aprendi com Deus que ele não é chegado em culpa, isso é coisa do Diabo, ele sim muito preocupado em lançar-nos sempre para baixo. Culpa só gera depressão, o que gera mudança é o arrependimento genuíno.
Dessa forma eu também não estou escrevendo este post para deprimir ninguém, nem tão pouco para mostrar uma situação como esta como exemplo de algo normal, muito pelo contrário. O que eu quero é convidá-los a me acompanhar numa caminhada.
A minha caminha em busca de Deus!
O primeiro passo eu já dei, que é reconhecer que estou sendo falho, que não estou dando uma gota de reconhecimento ao oceano de amor que Jesus me dá todos os dias, mas isso por si só não serve de nada. Então eu resolvi tomar algumas providencias que deram certo no passado.
A primeira delas é escrever este post. Escrever sempre me ajudou a colocar as coisas em perspectiva e a colocar todos os pingos nos “is”, a segunda me veio a cabeça ainda no culto. Comprar uma bíblia da melhor que eu encontrar, cheia das coisas que eu adoro, muitos mapas, ilustrações, estudos, comentários e tabelas de conversões, o que me fez perceber algo engraçado. Eu tenho umas 5 bíblias, e quando casei minhas esposa trouxe mais algumas, e eu já comprei muitas bíblias, baratas e caras, mas nunca, nunca mesmo comprei uma para mim! Como eu tinha várias que ganhei da minha mãe, de vários tipos e várias correntes acabei nunca me presenteando com uma versão. Estou escolhendo com todo cuidado minha próxima, quero algo que realmente me estimule a ler mais e mais.
Além disso tenho sentado mais ao violão e cantado alguns louvores, não como ensaio porque eu sempre faço isso, mas como forma de adoração. Além disso quero tentar voltar a ler sempre a palavra antes de sair de casa, como eu sempre fazia até pouco tempo.
No mais eu quero que vocês me acompanhem nessa caminhada, aos poucos eu vou compartilhando com vocês meu crescimento, além de algumas bênçãos realmente grandiosas que recebi final do ano passado.
Há, pensaram que eu esqueci de citar o outro versículo que ouvi no culto e me fez pensar? Não, só deixei um suspense no ar. Salmos 119, versículo 11.
“11    Escondi a tua palavra no meu coração, para eu não pecar contra ti.”

Como disse eu não sinto mais culpa neste sentido da minha vida, mas as vezes eu fico perplexo de imaginar o quanto as vezes eu magôo o coração de Deus, porque eu não estou mais na ignorância. Eu conheço os princípios e os caminhos, e mesmo assim eu peco contra a santidade do meu Deus, eu tenho consciência desse pecado, porque pra Deus não existe pecadinho ou pecadão, o pecado nos afasta dele. Seja um livro que eu não deveria ter lido ou um comentário que eu não devia ter feito, o resultado é sempre o mesmo.
Dessa forma eu quero mais e mais “esconder”a palavra de Deus no meu coração e não só na minha mente, esconder no sentido de colocar num lugar onde ninguém pode roubar, onde ninguém pode tocar.
Bom por hoje é só! Um grande abraço!

Rodrigo Melo