Arquivo de maio, 2009

Olá, acompanho o blog sempre, e resolvi pedir um conselho a você, porque vocês parecem ser bem experientes no assunto e quem eu já perguntei por aqui não me ajudou em nada…

O assunto: Estou terrivelmente apaixonado por uma amiga!

Desenrolar da historia:

Conheci a garota há uns 2 anos, em uma sorveteria, olhamos um para o outro e piramos, tínhamos um amigo em comum daí arrumamos o telefone um do outro…Mas eu estava namorando na época e então não fiquei com ela…resultado: viramos amigos demais. (meses depois terminei o meu namoro).
Sei que ela tem grande admiração por mim, não sei o quanto… Quanto mais o tempo passa e quanto mais vejo ela mais eu fico louco, realmente gosto dela, não é atração sexual (isso tb), mas nem sempre, só de ficar junto com ela eu já me sinto melhor.
Um motivo pelo qual não vou la e digo isso agora pra ela: medo de perder a amizade (sei que medo é covarde, mas infelizmente não posso arriscar magoá-la).
Outro motivo: Eu tenho 19 e ela 18 anos, idade de planejamento da vida, só que estamos agora começando faculdade, ela fora e eu na nossa cidade mesmo, isso também acho que é difícil em um relacionamento, ainda mais relacionamento recente…

E esta é a história, estou terrivelmente confuso, pois nunca gostei tanto de ninguém, e nunca fiquei sem saber como agir, espero que me dêem alguns conselhos para eu poder saber se realmente me abro pra ela ou espero, ou esqueço (tentar pelo menos)…

Muito Obrigado, sou muito grato a todos que me ajudarem…

ATT Stenn

Olá amigo Stenn, bom dia!

Em primeiro lugar, obrigado pela confiança em me escrever, a proposta central do Estrutura é justamente oferecer aconselhamento direto, nunca tentando ser dono da verdade, mas tão somente dando um ponto de vista baseado na minha vivencia e na palavra de Deus. Peço a todos os nossos leitores que comentem e deixem sua opinião sobre o caso do Stenn, é dessa forma que acontece o crescimento, na multidão de conselhos.

Bom vamos ao seu caso:
A primeira coisa que me chamou atenção na sua história é que já fazem 2 anos que você conheceu seu objeto de afeição, isso por si só já é um bom sinal, porque embora paixões obsessivas possam durar muito o mais normal é que se perca o interesse depois de um tempo, como você já está a 2 anos nessa e continua interessado tem tudo para ser de fato um sentimento maior.
Não vou mentir a você dizendo que todo esse tempo não possa ter transformado o sentimento inicial que ela tinha por você numa grande amizade, isso pode sim ter acontecido, uma garota de bom coração e bons valores te encontrando comprometido pode ter se esforçado para mudar sua impressão inicial por uma amizade, mulheres são bem melhores nisso do que nós homens.
Enfim, o meu conselho é que primeiro você consulte a si mesmo e tente descobrir o que de fato você sente por esta garota, uma maneira interessante é você olhar sua vida daqui a 10 anos, você se vê ao lado dela? Isso é um fator importante para você medir o grau de importância que ela tem em sua vida, e com base nisso o grau de sacrifício que você está disposto a fazer. Daí você tem duas alternativas:
1) Se você acha que gosta dela, mas ela não é a mulher da sua vida, sugiro que deixe as coisas como estão e busque transformar esse sentimento em amizade, desejo existe sempre, é mais do que comum entre os homens sentir atração por amigas, mas isso não quer dizer que você deva concretizar essa atração.
2) Você se vê junto a ela e realmente acha que essa pode ser a mulher da sua vida, veja eu mantive o “acha” porque certeza mesmo muito poucas pessoas tem, e mesmo quanto tem não quer dizer que estas estejam certas, toda e qualquer relação é uma aposta, é um exercício de fé em que você confia que aquele é o melhor caminho e faz todo o possível para que aquilo de certo.
Caso você caminhe para tentar ficar com ela, não ha outra opção além de chamá-la para conversar e realmente se abrir de forma sincera, se você fizer isso com dignidade pode ter certeza que de forma nenhuma ela vai se magoar ou mesmo romper a amizade que vocês tem, basta que você não seja vulgar e não a trate como uma piriguete, chame-a para um lugar legal onde vocês vão ter privacidade e se abra numa boa, a única pessoa que corre o risco de ser magoada é você, mas esse é um risco que sempre vale a pena correr.
Quanto a idade eu não vejo qualquer problema, eu conheci minha esposa quando ela tinha 18 anos e eu 22, ela no começo da faculdade de eu pouco mais do meio, tivemos que esperar alguns anos para enfim podermos nos casar e termos a vida que temos hoje, mas valeu cada segundo de espera. Basta que para isso vocês se juntem em torno de objetivos comuns e entendam que seu relacionamento está em uma fase onde deve haver compreensão mutua de que vão existir momentos de pouca disponibilidade, mas entre pessoas que se gostam isso longe de ser um problema é na verdade um grande impulso, minha esposa (na época namorada) foi fundamental na época em que eu fazia monografia, provas finais e tudo mais, quando o cansaço quase te deixa louco, ela estava lá ao meu lado me incentivando e dando forças.
Outra questão é a distância, eu tenho comigo que namoros a distância tem poucas chances de dar certo, porém isso não é uma regra, eu tenho o caso de uma amiga que se apaixonou por um português (ainda vivendo em Portugal) e conseguiu passar um bom tempo a distância até que conseguiram ficar juntos, mas isso ao meu ver é a exceção que confirma a regra.
Finalmente o que te posso dizer é que num mundo de tantas opções, a mulher da sua vida é só uma (bom, pelo menos uma por vez) não deixe passar por medo ou qualquer outra coisa, busque em Deus pelo seu caminho, ele é o seu melhor conselheiro.

Que Deus te abençoe e também o seu relacionamento.

Um forte abraço

Rodrigo Melo

PS> Quando um leitor autoriza que a pergunta seja publicada eu promovo sutis correções na pergunta e algumas vezes acrescento algumas coisas na resposta que acabam por surgir depois. Todas as perguntas são publicadas de forma anônima, independente de qualquer outro fator sua identidade será sempre preservada.

A importância dos obstáculos

Publicado: 05/08/2009 por Rodrigo Melo em Reflexão

Um bom texto começa com um título que meche conosco não é mesmo? Com certeza falar que obstáculos são coisas importantes na vida meche com nossos instintos mais básicos, afinal a grande maioria não acha graça nenhuma em se deparar com desafios, coisas que nos tiram da nossa zona de segurança, mas eles são importantes, e não só pelos motivos que você talvez imagine.

(mais…)